fbpx

O cereal certo para cada perfil

Abaixo listamos o cereal ideal para cada perfil de pessoa. Segue:

 

CRIANÇAS

Flocos de milho, trigo e aveia: esses são os itens que montam o mix perfeito para o desjejum dos pequenos, substituindo os alimentos açucarados. “Para oferecer o gosto adocicado, é indicado colocar mel ou melado se a criança for maior de 2 anos. Os itens podem ser ofertados com leite ou na forma de mingau”, indica Jessica de Deus. De acordo com a nutricionista, o trio garante energia para ir à escola, brincar e se desenvolver, já que conta com nutrientes – como as vitaminas do complexo B e o ferro – que ajudam a converter os alimentos em combustível para o corpo e previnem a anemia, doença comum nessa idade. “A partir dos 6 meses, os cereais podem ser introduzidos na alimentação de forma gradual, sempre com a orientação do nutricionista ou médico pediatra”, explica Jessica.

 

A PARTIR DOS 65 ANOS

Nessa faixa etária, são importantes cereais como aveia e o trigo. “ Isso porque eles são versáteis e mais fáceis de engolir e mastigar. Além disso, carregam propriedades essenciais a esta fase da vida, como fibras (que melhoram o funcionamento do intestino), vitaminas e minerais – que  têm ação antioxidante e evitam o aparecimento de doenças cardiovasculares. Quando combinados com alimentos lácteos e fontes de cálcio, podem prevenir doenças ósseas, como a osteoporose”, sinaliza Jessica.

 

PARA EMAGRECER

Os itens mais utilizados para o emagrecimento são: arroz (como biscoito ou em flocos), aveia, centeio, painço, flocos de milho e gérmen de trigo. “Tirando o centeio, pode ser feito um mix desses cereais estilo granola para o café da manhã. Vale adoçar com mel ou melado e adicionar frutas e iogurtes. O centeio pode ser consumido na forma de pãozinho e fornecer energia sem aumentar a concentração de açúcar no sangue”, orienta Jessica. A especialista garante que estes cereais turbinam a saciedade, porque têm um maior aporte de fibras. “É difícil estipular uma quantidade ideal de consumo, já que isso dependerá do gasto calórico de cada pessoa, ou seja, se após a refeição será feito algum tipo de exercício etc.”

 

ANTIESTRESSE

Se você está se sentindo pressionado, tenso, irritado e com a sensação de exaustão física e emocional, saiba que estes são sinais claros de estresse. Para aliviar o problema, comece o dia com uma boa porção de aveia e painço, “seja na forma de grãos ou flocos combinados com abacate, banana, leite e sementes, como linhaça , chia e gergelim”, recomenda Jessica. Para a especialista, essa é a receita para consumir mais triptofano, aminoácido precursor da serotonina – neurotransmissor responsável pela sensação de felicidade e bem estar.

TURBINAR A MALHAÇÃO

Quem pratica atividades físicas pode apostar em todos os cereais já citados, pois eles levam boas quantidades de carboidratos – com exceção do painço. “A escolha pode variar de acordo com o tipo de dieta ou estratégia que a pessoa está usando para treinar, optando por aqueles que fornecem bastante energia, como o trigo e o milho, ou com maior aporte de fibras, como a aveia, que retarda a liberação de açúcares para a corrente sanguínea, evitando picos de glicose durante a atividade esportiva”, lista Jessica. A dica de consumo é em forma de mingau ou mix adicionado a frutas que tenham valor energético alto, como a banana. Os lácteos também são boas opções de combinação, já que garantem o fornecimento de cálcio, que contribui para a saúde muscular e óssea.

 

CONTROLAR O COLESTEROL

A aveia é a protagonista quando o assunto é o combate ao colesterol. Isso porque as fibras solúveis presentes no alimento formam uma espécie de gel ao entrar em contato com a água, que envolve as moléculas de gordura carregando-as para fora do organismo, via excreção. Esse processo impede o acúmulo de gordura nas artérias. E mais: a ligação dessas fibras com ácidos biliares diminui o poder de reabsorção do colesterol LDL, considerado ruim. “Na hora de combinar o cereal a outros alimentos, aposte no abacate ou no cacau. Este último possui polifenóis, como a catequina, que também ajuda na diminuição do colesterol ruim”, recomenda Brenda Ladeia.

 

ALIVIAR A TPM

Estudos das universidades de Harvard e de Massachusetts, nos EUA, comprovaram que o consumo das vitaminas do complexo B encontradas no trigo reduz em 35% os sintomas da tensão pré-menstrual (TPM). Os flocos de arroz também são bons aliados, já que, além das vitaminas do complexo B, são fontes de triptofano. “Consumir os cereais com cacau também ajuda nessa fase, principalmente por causa da teobromina presente no alimento, capaz de promover uma sensação de prazer e bem estar”, orienta Brenda.

 

CONTROLAR A MENOPAUSA

Os flocos de milho e a aveia são dois aliados quando o objetivo é evitar a menopausa precoce. Isso porque são fontes de proteínas vegetais. De acordo com informações do Estudo de Saúde de Enfermeiras, do banco de dados norte-americano, que acompanhou 85 mil mulheres ao longo de 11 anos, as que consumiam 6,5% das calorias diárias de proteína vegetal tinham 16% menos risco de entrar precocemente na menopausa. A alimentação saudável para essa fase também deve incluir alimentos como fitoestrogênios (presentes no gérmen de trigo,a na aveia e em frutas como a maçã e morango), que tem estrutura semelhante a do hormônio estrogênio e ajudam a combater os sintomas da menopausa.

 

GLUTEN FREE

Se você não pode incluir o glúten na alimentação – seja por opção, intolerância ou sensibilidade –, mas também não abre mão de ter os cereais no seu café da manhã, a dica é apostar nos tipos que não possuem a proteína. “São aqueles feitos à base de arroz e milho. Mas é sempre importante olhar o rótulo, pois alguns alimentos podem ter traços de trigo em sua composição”, alerta Brenda Ladeia.

 

INTESTINO FUNCIONANDO

Quando o assunto é intestino funcionando como um reloginho, o cardápio de cereais está todo liberado, “desde que sejam os cereais integrais que possuem fibras e ajudam na motilidade do instestino, evitando problemas de constipação e melhorando a evacuação”, afirma Brenda. Na hora de consumi-los, vale a pena lançar mão do mel – que contribui para a manutenção da microbiota instestinal.

 

FONTE: REVISTA PENSE LEVE – ED. 311  
Tags: